Pessoa tocando violão

Como recrutar um CTO Rockstar para meu negócio digital?

Por: Luis Ribeiro . Publicado em: 10 de agosto de 2017

Como recrutar um CTO Rockstar para meu negócio digital?

Em um século movido pela criação de novos negócios de base tecnológica, um tipo de cargo se tornou bastante concorrido ultimamente em startups digitais. Esse cargo é o de CTO (Chief Technology Officer).

Nesse post, vou compartilhar com vocês o que sei à respeito dessa função e de como identificar um CTO Rockstar para fazer parte da sua startup. O que posso adiantar é que esse tipo de profissional é raro, e poucos conseguem encontrar no momento certo.

.

O que faz um CTO?

Primeiro de tudo, precisamos saber quais são as responsabilidades e habilidades exigidas de um CTO.

Muita gente acha que o CTO é apenas o desenvolvedor do projeto, mas se você recrutar o seu pensando somente nessa característica, você tem grandes chances de falhar e ter que substitui-lo depois. E o problema disso é que ao sair da equipe seu desenvolvedor pode levar todo o código fonte da sua startup e você terá que começar do zero, perdendo tempo e dinheiro.

O CTO assume diversas responsabilidades que mudam ao longo do ciclo de vida da startup, e consequentemente ele tem que adquirir habilidades conforme o estágio do negócio:

– Validação do Problema: nessa fase o CTO deve ser menos desenvolvedor e mais empreendedor, ajudando a equipe a validar o problema sem criar código, pois por mais que saiba desenvolver, esse ainda não é o momento de gastar tempo desenvolvendo algo que pode ser descartado amanhã. O CTO pode ajudar fornecendo ferramentas prontas para validar o problema, como Landing Pages, formulários online, plataformas prontas, além de organizar as validações e gerar relatórios dos dados para tomada de decisão. Como o CTO entende mais de sistema do que o restante das equipe, deve contribuir fornecendo ferramentas, analisando dados coletados na validação de problema, e somente isso.

– Validação da Solução: após o problema ter sido validado, chegou a hora de testar se a solução que você planejou realmente resolve o problema a ponto dos seus usuários pagarem por ela, ou algum outro Stakeholder pague para você atender esse problema dos usuários. Nesse momento o CTO pode traduzir as tarefas do cliente (jobs to be done) em MVPs da solução que otimizem/resolvam essas tarefas. O MVP pode começar no Concierge, usando plataformas prontas, e ser evoluído depois para um MVP funcional a medida que os clientes demonstram interesse e engajamento ao utilizar. Durante essa fase o CTO pode desenvolver pequenos trechos de código para começar a automatizar a solução, mas ainda com muito cuidado, pois a tendência é ficar 3 meses trancado no escritório full time para desenvolver uma plataforma robusta mas que nem foi completamente validada ainda. Além de desenvolver, o CTO pode contratar freelancers para dar velocidade no MVP e complementar competências, como por exemplo design. Com isso, o CTO deve ser um bom gerente de projetos, gerindo custo, prazo e qualidade.

– Geração de Demanda: Essa é a fase em que você já encontrou seu Product Market Fit, tem um MVP funcional que já fatura e agora pode começar a atrair mais clientes e escalar o negócio. Nessa fase o CTO deve ajudar a equipe de marketing nas estratégias de Growth Hacking, tanto para atrair quanto para aumentar a conversão dos usuários já atraídos, contribuindo com sua experiência técnica. Com isso, surge a necessidade de habilidades de Gestão de Produto. Além disso, com o aumento considerável de clientes, vão surgir bugs no sistema, sugestões dos usuários, e o CTO novamente deve ser um bom Gestor de Projetos, para priorizar, alinhar cronograma e fazer o mais importante com menor esforço e custo. Como o Roadmap de Produto irá inchar, o CTO precisa começar a contratação do seu time técnico core, ou seja, os .primeiros programadores da startup Dessa forma, habilidades como recrutamento e seleção, e depois de contratado, a de Gestão de Pessoas, são essenciais.

– Estruturação da Empresa: Nessa fase o negócio já descobriu sua fórmula de crescimento, está captando novas rodadas de investimento para expansão, e agora precisa organizar os processos, contratar mais pessoas e otimizar os indicadores estratégicos. Com isso, o CTO deve saber criar e replicar processos, garantir treinamentos para os novos contratados, organizar o time, encaixando cada pessoa no lugar certo, e continuar cuidando da arquitetura da aplicação, código, servidores, para que ao continuar escalando o número de clientes, a tecnologia acompanhe garantindo a operação. Porém, algumas responsabilidades podem começar a ser delegadas para Gestores, como Gestão de Pessoas/Produto/Arquitetura para que o CTO assuma cada vez mais uma posição estratégica na empresa.

Parece muita responsabilidade e muitas competências para uma pessoa só? É isso e muito mais. Essa é apenas uma visão geral, e por isso o CTO tem que ser Rockstar para aguentar o tranco. É claro que ninguém nasce pronto, mas se o profissional não tem atitude e um ótimo comportamental para evoluir conforme a startup exige, ele pode ficar no caminho e ter que ser substituído em algum momento. Assim como qualquer cargo de empreendedor, é necessário resiliência e melhoria contínua.


Como recrutar um CTO?

Muitos empreendedores de startup tentam recrutar um CTO oferecendo uma participação em uma ideia que consequentemente ainda não vale nada, pois é apenas uma ideia que ainda não foi validada, não tem clientes, e ainda sim o empreendedor acha que é um negócio milionário.

Pode até ser daqui a alguns meses ou anos, mas o fato é que ninguém sabe ainda se vai dar certo, e tudo depende de uma ótima execução.

Então as minhas dicas para atrair e recrutar um CTO Rockstar são as seguintes:

1. Faça muito com pouco: faça o que conseguir com os conhecimentos e recursos que você tem para identificar se o problema que você quer resolver é real e seus usuários se importam em ter esse problema resolvido agora. Ou seja, verifique se você tem o problema certo no timing certo de mercado. E comprove essa validação com fatos, com dados, com faturamento, com usuários interessados, com o que conseguir! Em resumo, não espere seu CTO cair do céu para você começar o negócio, e não fique se lamentando e desculpando por não ter conhecimento técnico para empreender sua startup, pois para criar um MVP de Verdade você não precisa saber programar.

2. Construa uma Visão: porque eu vou ser o CTO da sua startup? Porque resolver esse problema? Onde vamos chegar? Qual o propósito desse negócio existir? Quais são as metas para o primeiro ano de operação? Responda essas perguntas e você terá uma visão mais clara para convencer qualquer pessoa que você está fazendo algo revolucionário o qual vale a pena participar. O que temos de mais valioso é o tempo, e porque um CTO Rockstar vai investir o tempo dele na sua ideia? Além disso, verifique se o CTO realmente compra a visão da Startup, porque se ele se motivar pelos motivos errados, como por exemplo, apenas por dinheiro, pode deixar seu negócio na mão quanto menos você esperar, ou melhor, assim que ele perceber que vai demorar para dar dinheiro de verdade.

3. Elabore um Pitch: com um grande problema de mercado validado, uma visão mais clara de onde quer chegar, agora só falta consolidar isso em um Pitch. Esse Pitch inicialmente tem o objetivo de recrutar o seu CTO então não precisa ser tão completo como você faz para investidores, mas use as informações que você tem para colocar em um discurso/apresentação as validações e visão que construiu até agora. Além disso, um Pitch de recrutamento tem quem oferecer algo em troca de uma contrapartida. Se fosse um Pitch para investidores, você oferece Participação em troca de Dinheiro e Know-how. Já que você quer recrutar um CTO, tenha claro quanto você pode oferecer de participação em troca de X tempo do CTO que será investido no negócio. Obs: isso não significa que seu CTO não irá receber pró-labore/salário. Assim como você e outros sócios do negócio que participam diretamente da operação, ele terá que receber um pró-labore assim que possível, pois precisamos nos manter vivos. Mas o ideal é que o CTO tenha sim um planejamento financeiro pessoal (e você também deve ter) que viabilize o seu salário por alguns meses, pois nem sempre o negócio vai dar dinheiro logo no início, e provavelmente a captação de investimentos vai demorar mais do que você imagina.

4. Cabeça de Dono: o ideal é que seu CTO seja um sócio no seu negócio. Mas sócio não significa apenas ter participação em troca de Dinheiro ou Tempo, mas sim ter cabeça de dono, agindo como sócio. Para isso, mesmo que você seja o fundador que teve a ideia, permita e incentive seu CTO a se apropriar da ideia, comprar o propósito da organização, e tomar as decisões necessárias por si mesmo, sem ficar controlando tudo o que ele faz, pois ele é seu sócio e não seu funcionário. E do mesmo modo, o CTO precisa se apropriar das tarefas, tomar a frente, agir sem pedir permissão para tudo o que for fazer, valorizando mais resolver o problema dos clientes e da empresa, mas claro, que sendo responsável pelo atingimento das metas em primeiro lugar.

5. Teste a Relação: o ideal é você ter um Contrato de Vesting para todos os sócios fundadores, desde você mesmo, até seu CTO e outros C’s que venham a ser incorporados no time. Esse contrato manterá o alinhamento sobre as responsabilidades e objetivos de cada um na startup e garantirá que se alguém não cumprir o acordado ou desistir de empreender seja qual for o motivo, não terá uma participação no negócio por algo que não fez (e que poderá cobrar depois quando sua startup estiver dando certo). No Vesting pode ser determinado um período de teste, chamado Cliff (que normalmente é de 1 ano) e depois desse período a pessoa começa a conquistar porcentagem mês a mês até o final de 3 ou 4 anos.


Mas onde encontrar um CTO Rockstar?

Bem, essa é a tarefa mais difícil. Seu problema pode estar validado, você tem uma grande oportunidade de negócio, sabe como recrutar, mas onde um profissional desses se esconde?

Além disso, não adianta encontrar um profissional com todas as características que mencionei acima e ele estar em um momento de vida diferente, que não tenha nada a ver com empreender. Ele pode por exemplo, almejar um cargo de diretor na empresa onde trabalha, ao invés de ser empreendedor e arriscar tudo em uma startup que acabou de conhecer e ainda não conquistou nada.

Todos temos um custo de oportunidade. E esse custo pode não compensar na visão da pessoa que você está recrutando para esse momento da vida dela. Então esteja atento à isso e recrute um CTO que já tenha o objetivo de empreender no curto prazo e inclusive que já estava se planejando para sair de onde trabalha para montar seu próprio negócio.

Sabendo disso, seguem os canais de recrutamento que indico para encontrar um CTO Rockstar:

– Network: você tem um amigo programador, ou algum contato dentro de alguma empresa que faz um bom trabalho desenvolvendo software? Ou conhece um professor de universidade, ou alguém que está trabalhando em uma startup consolidada? Use seu network para que essas pessoas te indiquem profissionais próximos à elas que podem ter o perfil que você está buscando. O seu CTO pode estar à 1 ou 2 contatos de distância.

– Grandes/Médias Agências Digitais ou Fábricas de Software: nesse tipo de empresa, busque por profissionais que tenham cargos de gerência ou analise/desenvolvimento sênior, e que estejam buscando empreender.

– Fábricas de Software Early Stage: empresas que começaram a pouco tempo, têm 1, 2 ou 3 pessoas na equipe, que são os próprios sócios que saíram das empresas onde trabalhavam para montar a própria empresa, mas ainda estão começando, o que é mais fácil de encontrar um CTO aberto à novas oportunidades e que já está empreendendo.

– Startups Consolidadas: em startups maiores, busque um analista/desenvolvedor ou líder técnico/gerente de produto que já tenha mais de 5 anos de experiência, seja apenas funcionário da startup (não sócio) e que busque empreender suas próprias ideias. Essa tipo de profissional já tem experiência vivendo o dia a dia de uma startup, e estando no momento certo pra ele, pode ser um bom encaixe com o seu negócio.

botao-kit-de-ferramentas-startups-min


Conclusão

Resumindo a conversa que tivemos até aqui:

– Antes de mais nada, conheça as responsabilidades de um CTO de verdade, um CTO Rockstar que é totalmente diferente de apenas um programador pra fazer seu MVP. Se for apenas para programar, contrate um freelancer ou uma empresa de software, mas cedo ou tarde você vai precisar de um CTO Rockstar para fazer seu negócio crescer. E para te ajudar, segue um material com a Job Description de um CTO Rockstar, com base na nossa experiência do Ideia no Ar, apoiando mais de 200 startups e conhecendo CTOs de startups exponenciais.

Valide seu negócio e estruture muito bem sua visão e discurso para recrutar o seu CTO quando encontra-lo. Com mais clareza de onde quer chegar, fica mais fácil trazer qualquer pessoa para o time. Além disso, saiba que está trazendo um sócio e não um funcionário, então deixe isso claro e teste o CTO para verificar se ele realmente se encaixa no propósito do seu negócio, e também tem Fit com a equipe.

– Use seu network, pesquise em grandes empresas, startups consolidadas ou empresas de software em fase inicial. Teste vários canais e converse com muita gente. Quando você fala que está precisando de algo e amplia os canais para conseguir encontrar, cedo ou tarde, vai encontrar a pessoa certa. Tenha paciência e enquanto isso não se desespere, mas continue fazendo seu negócio acontecer independente de ter achado o CTO.

Essas são as dicas baseadas em experiência própria. Como sempre estamos aprendendo, com certeza tem muito a ser melhorado nesse processo, mas espero que tenha te ajudado a encontrar o seu CTO Rockstar. E caso tenha algum comentário para contribuir com a sua experiência, seja de dificuldade ou de sucesso na busca do seu CTO, compartilhe com a gente.

Você está buscando o seu CTO e precise de ajuda? Entre em contato com o Ideia no Ar. Vamos juntos.

Publicado por:

Luis Ribeiro